20 de fevereiro de 2017

O dia em que ele afirmou "Tu lês livros de cultura!"


Este é um momento semelhante ao: Ele era um homem lindo mas escreveu "quaisqueres dois de ambos os três servem para o servisso". ahahah 
Há detalhes pequeninos que são o maior turn off do mundo. Escrever mal na sua língua nativa é coisa para nos fazer sangrar dos olhos e por mais que uma pessoa se esforce para que a sua memória seletiva apague aquele trágico sms, já foi. É coisinha para ser narrada até ao fim dos nossos dias, aos filhos, aos netos, e na casa de repouso, no meio de histórias meio improvisadas do Ultramar e do latex que a Ana Malhoa envergava nos seus espetáculos.
Mas não é só dar umas caneladas no português, é o falar estupidamente alto nas ocasiões erradas (falar muito alto é errado em todo o lado!), ir de Havaianas até ao casamento da irmã e ter um carro rebaixado. Isto regra geral dá bem conta do recado quando em questão está a proteção da virgindade!
Depois há os que nos apanham de surpresa. Andamos ali embeiçadas durante meses e o gajo tem tudo para ser o futuro genro do nosso pai, até que se desenrola a seguinte conversa:

- Fogo, que grandes calhamaços que tens aí na mesa de cabeceira!
- É...
*Aproxima-se para ler o título do livro de cima*
- Ahahahah! Cem Anos de Solidão! Adequa-se, hum?!
- Nunca ouviste falar deste livro?
- Eu não!!
- Este livro valeu um Nobel ao escritor...
- Ah... 

E é assim, meus amigos, que se perde uma gaja! 
Foi como se lhe tivesse nascido uma verruga de um quilo no meio dos olhos. Nunca mais consegui olhar para ele da mesma forma. Estou a parecer uma preconceituosa do caraças, não estou?
Gajo formado na melhor escola do país na sua área, bom emprego, desportista, bem disposto, é assim uma espécie de "tudo-de-bom". À séria.
Só que ter cultivado apenas um lado da sua vida, o do corpo, é o mesmo que ter um lindo canteiro de roseiras e o resto do jardim cheio de mato! Rouba-lhe o brilho! Confidenciou-me até que achava que o último livro que tinha lido de fio a pavio remontava aos tempos de estudante, que seria tudo menos uma história de amor e de fantástico teria pouco.
Ainda tenho esperança de o conseguir trazer para a apreciação de pintura, arquitetura, música e bailado clássico. E mesmo que não goste mas espero que experimente! Que tenha espírito crítico, caramba!
Sei que somos tão complexos e que pode caber no mesmo "frasco" o desporto e a cultura. Temos algumas bloggers portuguesas que são um tão bom exemplo disso.
O desgraçado, mais tarde, quando lhe falava que estava prestes a começar o meu voluntariado dizia:

- Mas que bem, lês livros de cultura, fazes voluntariado... Que espetáculo!

Se eu não me sentisse uma ave rara ao longo dos meus 24 anos de vida, teria tido aqui uma óptima oportunidade de começar! "Livros de cultura" é o máximo. 
Eu acredito que aquilo seja um diamante em bruto que ali está e que bem trabalhadinho qualquer dia é ele a ler-me frases em latim de artefactos que se lhe encontraram no quintal, que ele ofereceu para escavações! ahahah Nem tanto!
Bom, temos que terminar esta converseta. Pessoas solteiras e outras que ainda mantêm esperança na humanidade: não desanimem quando se cruzarem com um, meia dúzia ou cem gajos iguais a este! É preciso é força, foco e fé para lhes meter um pedacinho de conhecimento dentro da cabeça! Sem ser ao empurrão, não é?! ahah

MariaDaniela

2 comentários:

  1. Este texto é um tanto ou quanto arrogante. Ou, uma tentativa de massagem ao ego.
    Para ti o homem tem de saber quem é que são os autores que ganharam o nobel da literatura se não o coitado, mesmo sendo excelente noutras áreas, perde o interesse. Sabes então todos os que ganharam o nobel da medicina? Ciência ou paz por exemplo? :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Comentário feito por quem não conhece o registo do blog e não percebeu que estava a dar o exemplo da cultura. Aqui escreve-se com disfemismos e umas pitadinhas de humor ;)

      Eliminar