30 de novembro de 2017

O Natal dá-me nervos!

Hoje é assim, curto e grosso. Lêem o título e sabem ao que vêm que isto se quisessem mentirinhas tinham aberto o Correio da Manhã.
Estamos oficialmente em clima natalício e de tanto que adoro esta coisada toda não posso deixar de ficar arreliada.
Sintam-se à vontade se quiserem emprestar o vosso ombro amigo. Há sandes de courato e minis em aproximação de fim de validade na vitrine. Hoje é por conta do estabelecimento. 

Pois que, como vêem, não sou a celebridade da minha aldeia, não me pagam copos quando se cruzam comigo, não me abraçam nem dizem que nos dias que estive fora isto não teve graça nenhuma. Vivo bem com isso e dê-me Deus saúdinha e eu já não refilo. Muito.
Até que encontrei os maiores Marialvas do Algarve. E se durante o ano a coisa já é arriscada entre jantares, saídas e inocentes idas ao Rugby que começam às 15h e terminam às 03h num bar se aspeto semelhante a esta taberna, no Natal é forrobodó pegado.
Vêm aí 78 jantares de amigos, todos com amigo secreto, em dias seguidos porque no dia 10 falta o Carlos da Azeitona, no dia 11 falta a Josefa Francisca. 
O cenário por agora está animador porque caiu o abençoado subsídio de Natal na conta. Olhando, toda confiançuda, sou capaz de apostar um dedo em como dou conta do recado! Era o davas.
Há aqui dois jantares dos estaleiros onde vou trabalhando e um lanchinho de véspera só para aconchegar. Ninguém sai impune disto!!

14 de novembro de 2017

O Karma, esse sacana!

Não, não é miragem, não é um pássaro nem um avião! É mesmo verdade. Cá está um post da outrora desaparecida taberneira.
Os dedos estão empenados mas hoje precisei de jogar conversa fora. São muitos meses de clausura e já havia muita filosofia barata a fervilhar que não podia ser reprimida mais tempo.

Ora já que cá estamos, vamos lá ver. O café ganhou humidade por isso sai um chá de poejo prá canalha! 
Desde miúda pequena ouvi a minha gorducha e simpática mãe dizer que a justiça divina tarda mas não falha. Agora a malta mai moderna fala em Karma. Ora, Karma, Justiça de Deus ou Gertrudes, parece-me fatal como o destino que há aqui qualquer coisa e o nome que se lixe que nos encarrega de ver uma situação sempre de dois lados. Quem está comigo digita um Amém, irmãos!! ahahah
Lá está, eu ainda me deixo embalar pelas barbaridades que escrevo. Que Deus me conserve assim! 

26 de maio de 2017

Não há pachorrinha!


Chatos. Cambada de gente chata que tem mais mau gosto que o raio. É isso que vocês são!
Já cá estou, contentinhos?!
Eu acho a coisa mais rançosa amorosa que vocês peçam mais posts, sério mesmo, mas pedirem regularidade por aqui... Pá, sejam ambiciosos e peçam logo que eu vá a Fátima de joelhos. Não sei, ponham a febrinha toda no assador de uma vez.
Não vos devia dizer nada para não saberem que me têm na mão, mas é verdade verdadinha que quase todos os dias tenho tentado escrever. Tenho uma mão cheia de rascunhos do lado de cá, na despensa que cheira a queijo, a azeitona e a rato, mas sempre que os releio a ver se posso pegar em alguma coisinha dali percebo que estão tão docinhos tão docinhos que o Hitler iria parecer um puto ingénuo ao pé da minha delicadeza.

17 de maio de 2017

Finalmente livre de arames!

Tal como vos tinha ameaçado aqui, assim que me livrasse do arame farpado vos mostrava o resultado e cá estamos. 
Comecei a encher esta boquinha santa de aros e brackets em julho do ano passado e esta segunda-feira dei fim aos procedimentos de tortura. 
Nunca me pude queixar muito, os resultados eram visíveis todos os meses, o que dava aquela motivação, não fiz demasiadas feridas, não ganhei tiques escandalosos e a verdade é que acho que até nem me ficava mal.... Belo ego, estou espantada.
Como a minha mordida sempre foi alinhada, o meu problema estava no apinhamento dos dentes da frente. Expliquei melhor aqui.
Eu era aquilo a que se chama um anjo que caiu do céu... de boca.

4 de maio de 2017

Auto de Ocorrência a 04 de Maio de 2007

Se vos devo explicações? Óbvio! Não é permitido deixar um tabernão desta qualidade ao abandono por tanto tempo. Deixem vir aí a ASAE e eu logo conto como é que elas mordem!
Deixei a porta escancarada e nem um pires de tremoço no balcão. Isto merece chibatada no lombo e uma barata na sopa. Façam o que entenderem, um gajo tem sempre aquilo que merece....

Em minha defesa e a ver se me redimo, deixem-me desfiar aqui um pedaço daquilo que foram os últimos dois meses. Até levantaram as orelhinhas, suas velhas gaiteiras! Não há quem vos ature.

1 de março de 2017

Dizem que cachaça é água...


O Carnaval é coisinha para ser a minha festividade favorita do ano. Não há cá as lembrancinhas do Natal nem os convidados pouco desejados das festas de aniversário ou ano novo. Não há fretes na sua essência. Sei que há imensa gente que não gosta da época e eu não compreendo muito bem mas aceito.
É a minha oportunidade de sair da minha personalidade e ser uma gazela, um marroquino ou uma banana. Concretizar sonhos, portanto! ahah
A foto acima foi a única que tirei nestes últimos dias e, conforme percebem, é registo de instastories. A indumentária tem para cima de dez anos. A minha mãe (que sempre me mimou tanto e tão bem!) adora desde sempre a minha artéria de foliona e de cada vez que eu precisava de mais um disfarce ela comprava-me 3. Sim, ainda tenho vestidos por estrear e ela deixou de me comprar destas coisas aí aos 17-18 anos. Ou é ou não é!

22 de fevereiro de 2017

Quando eu for grande quero ser ... a Barbie!!


É o primeiro ícone de beleza que veneramos na vida e o problema é que há amores que são mesmo para manter!
Um dia destes, a minha colega de trabalho mostrou-me o instagram mais fashion da Barbie (sim, os nossos empregos são muito intensos! ahah) e eu fiquei pregada ali uma meia hora. A dar no scroll que nem uma doida e apaixonada até ao tutano. Bom, pelo menos até ao meu tutano! 😋
A Barbie já é velhinha mas não parece! Tem atualizado a sua imagem sempre em tempo real, portanto o seu guarda-roupa é bem mais modernaço do que o meu. 
É um bocadinho surreal admitir que sigo a conta da Barbie e acabo sempre por me inspirar para novas compras ou novas conjugações mas o que é certo é que esta bonequinha é uma fashion influencer mundial. Atentem bem no que vos digo!
Agora dêem uma vista de olhos e percebam que eu não estou maluca de todo! ahah

20 de fevereiro de 2017

O dia em que ele afirmou "Tu lês livros de cultura!"


Este é um momento semelhante ao: Ele era um homem lindo mas escreveu "quaisqueres dois de ambos os três servem para o servisso". ahahah 
Há detalhes pequeninos que são o maior turn off do mundo. Escrever mal na sua língua nativa é coisa para nos fazer sangrar dos olhos e por mais que uma pessoa se esforce para que a sua memória seletiva apague aquele trágico sms, já foi. É coisinha para ser narrada até ao fim dos nossos dias, aos filhos, aos netos, e na casa de repouso, no meio de histórias meio improvisadas do Ultramar e do latex que a Ana Malhoa envergava nos seus espetáculos.

17 de fevereiro de 2017

Até quando é que podes não saber?

Sim, até quando é que podes não ter um plano sem que estejas desnorteada?
Os tempos, dizem, mudaram mas continuam a cobrar-te a seriedade, a consciência e o tacto com a mesma firmeza que o fizeram aos teus semelhantes anos e anos atrás.
Precisas de ser controlada, metódica e fazer um percurso limpo, sem desvios nem percalços porque "Com a tua idade, eu já era... Eu já fazia... Eu já tinha."

Até quando poderás ser a criança que recusas deixar morrer?
Terá a tua gargalhada de ir às lágrimas um prazo de validade e o teu gosto por filmes de animação um final certo. Dizem. Dizem ser o percurso natural das coisas. Só que tu nunca foste pelo que é natural.

Até onde te será permitido não seres aquela-que-domina-todas-as-coisas?
Vão começar a cobrar-te demasiado cedo para que saibas, tanto que ensines. E tu com tantas dúvidas, ora tão básicas quanto complexas. A maior delas é se algum dia fará sentido que doutrines uma palavra que não é tua.

Por quanto mais tempo poderás viver na dor porque te parece tão mais confortável do que o vazio?
Pior que a dor é a ausência dela. O não sentir, não ser capaz. Ser infértil. Infértil de felicidade.

MariaDaniela

13 de fevereiro de 2017

Paixonetas improváveis!


O que é que é da nossa vida se não andarmos constantemente a cansar a vista nas lojas online? Pouca coisa, bem sei. Padeço do mesmo mal e a minha conta bancária tem crises de ansiedade de cada vez que eu pronuncio "olha que giro!". Aquele coraçãozinho frágil não foi feito para estas andanças, mas a cada um o seu destino.
Uma das coisas mais engraçadas é quando nos deparamos com peças que à partida desprezaríamos e vai daí que a coisa nos fica presa na retina qual mosquito em pára-brisas e se abre todo um novo leque de conjugações, misturas e... taquicardia ao nosso fundo de maneio! ahah
As minhas três últimas paixonetas mais improváveis foram estas e eu explico porquê.

7 de fevereiro de 2017

Ter olho para o negócio!



Mais um post bem rápido. Esta semana andamos na correria, se isto abranda eu juro que é mentira!
Desta vez, uma referência às boas compras e ao olhinho bem aberto que devemos ter na hora de adquirir os nossos essenciais.

6 de fevereiro de 2017

É capaz de ser amor!



Faço birrinha que não gosto de ver em mim, que não é o meu estilo, que é muito pesadão para os meus outfits... E no fim, tudo o que eu precisava era de alargar horizontes.
É lindo, é barato e ainda não é meu, porque temos de ser ponderadas quando parece que é tudo perfeito. Não me devo é aguentar muito mais tempo!


MariaDaniela

2 de fevereiro de 2017

Aqui me assumo: sou uma vítima!

http://counterintuity.com/

Ehhh tantas soidades que eu vejo nesses olhinhos ramelosos!! Sei que andámos aqui a reprimir umas sensações mas hoje há direito a taberneira indignada. Ninguém aguenta tanto tempo na vida sem se aborrecer. Parece que estava atafulhada num tanque com o Bruno de Carvalho e o primeiro a voltar à tona pagava a cláusula de rescisão ao JJ. Agora é só deixar fluir.
Refastelem-se que isto é capaz de ser doloroso. Muita coisa entalada, porra.

30 de janeiro de 2017

A minha personalidade em 3 outfits

Eu sou a pessoa mais previsível do mundo. Os meus colegas já conseguem adivinhar o que vou vestir no dia seguinte por verem o que trago no próprio dia. A verdade é que nunca vario muito dos mesmos três estilos de outfit. 
Embora sejam os três um pouco diferentes, acho que no seu conjunto  personificam muito bem a minha identidade. Se mais demoras, vamos lá ver o que costumo vestir!


Camisa Mango, jeans Zara, sapatos Mango, mala Massimo Dutti

27 de janeiro de 2017

Está na altura de encarar o problema...


Bom, estas foram as minhas compras do mês de Janeiro. Nada de loucuras, graças a Deus nosso senhor, mas de uma monotonia que me envergonha. 
Todas as peças que comprei têm uma coisa em comum: contêm ou são totalmente castanhas!!!!
Eu sabia que tinha uma paixoneta (avassaladora!) por tons terrosos, os verdes secos, os tijolo, terracota, amarelos quentes, os bordeaux... Tudo bem, é a minha vibe no inverno, a par dos pastel no verão, e até é fixe que uma pessoa crie alguma identidade, não é verdade?
O pior é quando eu não consulto a minha fashion adviser favorita e sigo o instinto. O instinto deu nisto. Adoro tudo, atenção! Só que prontos... ahahah
No fim de semana passado jantava com uma amiga que dizia "é difícil verem-me sair à noite sem estar de preto, adoro preto, sinto-me o máximo", e eu compreendi enquanto olhava por mim abaixo e via creme, cinza, cor de vinho...
Não faço com facilidade looks totais de uma só cor porque acho que a minha personalidade pede sempre alguma diversidade cromática... E é raro o dia em que não exista um camel, um bege ou castanho pelo meio. Pode até ser um cinto discreto a marcar a cintura, como o da foto, mas há quase sempre um elemento destes tons. É instintivo.
Não sei bem o que fazer a isto, se calhar é só encarar de frente e pronto. Mas é um bocadinho doloroso para quem convive comigo todos os dias. Havendo pessoas que não gostam de castanho pior ainda! ahahah
Dizem que o primeiro passo para a cura é assumir o problema, portanto já não falta tudo! 😋

Tudo atualmente esgotado à excepção da mala.

Bom fim-de-semana!

MariaDaniela


25 de janeiro de 2017

Alguns factos (estranhos?) sobre mim!


- Eu uso um after shave 0% álcool no rosto após a depilação.
Eu ainda sou dessas moças antigas que faz a depilação facial (a palavra "buço" é ridícula demais portanto fiquemo-nos por depilação facial) em casa e para que a pele não fique irritada a minha solução é semelhante à do meu pai! ahahah O bálsamo da barba dos senhores conheceu a ribalta quando algumas youtubers o usaram como primer e eu recebi um numa box que a Pipoca fez, então dei-lhe uso e somos melhores amigos desde então!

- Eu tenho 1,66m mas todas as raparigas que se gabam de ter 1,70m são mais baixas do que eu!
Já me acontece há alguns anos e sempre que me perguntam quanto é que eu meço ou calha em conversa, algumas raparigas ficam encavacadas. Porquê? Porque espalharam aos sete ventos o seu "pra cima de 1 e 70" só que depois vai-se a ver e só com saltos médios é que são da minha altura! Confesso que me diverte. É o pequeno Lúcifer que habita dentro de mim que se delicia com estes singelos momentos.

- Eu tenho um sinal dentro do olho.
Não conheço muita gente com sinais na área colorida dos olhos. O meu lindo glóbulo direito tem um pequeno quadradinho num castanho mais escuro que o resto. Não é nenhuma loucura, não vem aí a NASA tomar conta da ocorrência, parece só que caiu ali uma "porqueira" e eu acho graça porque condiz com todas as outras coisas parvas que me compõem, como ter um pé que na passada se inclina para dentro e outro para fora. Dessem mais tempo aos meus pais e mais "torta" me tinha feito ahahah

- Quando me puxam/prendem cabelo eu espirro e os cotonetes fazem-me comichão debaixo da língua.
Quando penteio o cabelo, um fio fica preso na cadeira, a fazer muita força no elástico ou algo do género sinto a conexão imediata ao nariz! Estão a ver estar a cabeleireira a desembaraçar-me o cabelo e assim que encontra um nó eu começar a fazer caretas para não espirrar? Ya. Depois a usar cotonetes para a higiene desta vida, tudo numa boa até que certas áreas do ouvido me fazem uma comichão maquiavélica debaixo da língua... É ridículo. Apenas ridículo.

- Os meus projetos são sempre os mais feios da empresa!
Deve ter sido algum incidente no parto mas a verdade é que não gosto nem tenho a mínima paciência para fazer carradas e cálculos e tabelas em excel e no final pôr tudo bonitinho com cores e setas e unicórnios. O chefe cuidadosamente pede "Não conseguimos pôr isto mais agradável à vista?", porque a verdade é que parece que alguém andou à bulha com os números. Eu lá faço o esforço sempre murmurando a cambada de florzinhas que me havia de ter calhado! O que é certo é que já é motivo de paródia entre colegas... A minha delicadeza de taberneira.

- Eu nunca comprei um pijama na vida.
Não comprei e não estou a pensar comprar tão cedo. Sou tão fina que já considero uma obrigação dos outros que o meu stock seja renovado. De vez em quando lá deixo sair entre dentes um "Os meus pijamas estão a ficar sem graça" a ver se no fim de semana seguinte que volto ao Alentejo tenho uma farda nova em cima da cama pronta a estrear. Quem diz pijamas diz chinelos de quarto, hum? Toda uma panóplia de adereços. Mãe, faz aí a tua magia!

- Eu sonho sempre em sépia ou preto e branco.
Por isso, mesmo que o sonho planeasse ser super animado, esqueçam! É sempre noite ou há sempre um clima estranho. Como não?! Estão a sonhar com o gajo mais giro da vossa empresa mas está escuro. O que raio estão a fazer no escritório de noite? Que sombra era aquela no gabinete do chefe?! Esqueçam o gajo e pisguem-se daí! Sim... É quase sempre esta a sensação e não dá para acostumar ao negrume literal que são as minhas noites. Sei que não é assim tão fora do vulgar mas no meu círculo de amigos ninguém partilha comigo esta característica portanto tinha que entrar aqui. 

- Eu achei que "minóculos" estava correto até mais tarde do que me orgulho.
Sempre fui barra a português, melhores composições, melhor na gramática e na interpretação mas depois via o meu futuro como escritora por uns minóculos... Pois claro que via. Quando me apercebi (onde é que eu vivia mesmo?!) que era com b fiquei a achar que toda a minha vida era uma mentira...


MariaDaniela

23 de janeiro de 2017

É muito amor!


Facto:  tenho de parar com aquelas coisas do "eu nunca".
Falemos do sentido da vida e de assuntos vários até chegarmos a esta mala fofinha, por favor. Sinto que preciso de me explicar.
Tenho quase sempre problemas com saldos. Vejo amigas e youtubers a comprar cenas a 50 cêntimos que são mesmo a cara delas, que são o achado do milénio e que lhes vão dar uso até à velhice. Isso comigo raramente acontece. As cenas que eu mantenho com carinho debaixo de olho na altura dos saldos deslizam subtilmente para a "nova coleção" ou sofrem uma baixa de preço na base dos 4,99€. Ora se eu não quero pagar 80€ por aquele casaco, não é por 75€ que já fico satisfeita. Não, camaradas, é para bater nos 50€ pelo menos!! ahah
Pronto, daí a minha incursão aos saldos só terem resultado naquilo que vos mostrei aqui (e que, by the way, já esgotou!). Avisei no final do post que andava com ideias suicidas e não menti. Sou lá eu menina pra isso!

18 de janeiro de 2017

As cores de 2017


Já vos tinha dito que 2017 ia ser um ano bom. Boa energia, vitalidade e recompensa pelo esforço feito até aqui. Estou convicta e nestes primeiros 18 dias está tudo a bater certo. Nunca nenhum ano tinha começado com tanta intensidade, não que sejam só rosas, mas com muita riqueza em conteúdo. É assim que eu gosto de passar os dias: com muito pra contar.
Encontro mais optimismo para enfrentar estes dias do que é costume portanto este ano só pode ser radiante. Falando em radiante, o que acham no Pantone que a marca escolheu para este ano?

16 de janeiro de 2017

Precisando como de pão para a boca!!



Eu não sei se notam um pequeno exagero no título... Bom adiante, há muitos básicos que me fazem falta na vida ou porque não tenho mesmo ou porque tenho e não inspiram grande qualidade. É verdade que há alguns "básicos" com que não me identifico e por isso não vale a pena comprar só porque têm o rótulo de essencial-no-roupeiro-de-qualquer-gaja-que-se-prese (podemos falar de biker jackets?! adoro mas neste momento o único que tenho está parado há meses no cabide!). Outros fui deixando passar o tempo ou deixei o tempo passar por eles e estão um caco, uma vergonha! Seguem abaixo as minhas lacunas de vestuário... não me julguem! ahah

13 de janeiro de 2017

Há sempre espaço para mais... meias!!


Comecei a comprar collants muuuuito antes de começar a usar saias e vestidos. Sempre foi coisa que me interessou e ia comprando par atrás de par "só na eventualidade". Hoje devo ter 5 meias para cada saia/vestido que repousa no meu armário. Há que ter opções, não é verdade?
É verdade também que as meias mudam logo a essência do look, por isso foi uma aposta ganha ao longo dos anos. 
Agora que me deixei de tretas e me apaixonei por saias tenho uma gaveta cheia destas coisinhas delicadas. Estas que vêem acima são as minhas favoritas... e uma nova aquisição!

11 de janeiro de 2017

A dedicação há-de recompensar-te sempre!

thecrowdfundmarketing.com

Escrevi o título deste post e fui deixando ficar até hoje, em que tudo se concretizou de forma a que o tema fizesse mais sentido do que nunca.
Penso que logo a seguir à saúde física e mental, a dedicação e a força de vontade devem chegar de mãos dadas e cimentar bases na nossa vida. A dedicação à família, aos amigos, aos hobbies, a nós mesmos.
Tudo o que nos propomos a fazer deve levar um shot de coragem e de entrega, de outra maneira não vale a pena. Sejam projetos no trabalho seja na decoração do nosso jardim.

Só há uma coisa que não merece o nosso empenho: fazer mal aos outros.

9 de janeiro de 2017

As sapatilhas novas!!


Isto, se eu tivesse vergonha na cara, nem devia ser um post, têm noção? 
E é com esta ligeireza que se começa mais uma semana! ahahah
A verdade é que andei super bem comportada em Dezembro para poder ostentar um bocadinho nos saldos e o que é que se sucede? Os artigos que eu tinha debaixo de olho não tiveram redução de preço. #luckybitch
Desesperada, andei a dar umas voltas nos sites e lá me deparei com estas sapatilhas. Na semana de férias que tive entre o natal e o fim de ano a minha mãe ordenou-me que não usasse mais os ténis brancos que até então passeava sem pudores. Lá em casa é assim, por mais anos que passem, mãe manda! E manda muito!

4 de janeiro de 2017

Acarinhem o vosso trinca bolotas!



Minhas caras, permitam-me que vos saúde por mais um ano por cá. Vejo que os hábitos ruins são os mais difíceis de perder. É tudo a jurar que não toca mais numa pinga de álcool até casar mas saírem aqui de roda é que está quieto ó Toino. Sosseguem um bocadinho e se acharem que o tremoço está com um sabor amargozo é porque esteve guardado junto ao queijo e ao courato. Não sejam esquisitinhas que não foi pra isso que as vossas santas mães vos criaram.

Pois que isto em inícios de ano há sempre uma vontade de ser menos besta (presumo!) do que nos antigamentes. Eu estou bem assim, obrigada por perguntarem. Mas a par dos 7 kg de pneu que querem perder, há sempre uma Miss Mundo dentro de vós que deseja paz em toda a Europa e também no Algarve bem como uma serenidade no coração e amor ao próximo.
Então eu, que não sou só asneiras e aguardente velha como vocês pensam, deixo aqui uma resolução para vocês concretizarem: Este ano, aconcheguem o vosso trinca bolotas!

2 de janeiro de 2017

Hora de olhar para trás... e para a frente!



Tenho que partilhar convosco uma coisa ridícula sobre mim. Há que começar o ano em grande, não é verdade?
Uma das frases que tem sustentado a minha vida faz parte de um anúncio de TV! ahahah Eu sou assim, profunda e culta até dizer chega!
São palavras da Charlize Theron no anúncio do perfume da Dior. 

"The past can be beautiful, a memory, a dream, but it's no place to live. And now it's the time, the only way out is up."