24 de agosto de 2016

Bold Winter!



Impossível não andar já de olho na nova coleção. Fica difícil não imaginar uma brisa mais fresca enquanto não estamos preparadas para dizer adeus ao verão.
Eu, que sou viciada em fazer planos, já tenho uma longa lista de desejos a concretizar na próxima estação. As lojas estão cheias de coisas giras e para aquelas peças que ainda só eu idealizei na minha cabeça é manter a esperança de as encontrar seja onde for.

22 de agosto de 2016

O essencial.


E por fim, chegaram as minhas férias. Não sinto que o meu trabalho seja exigente o suficiente para já merecer dias de descanso, no entanto a qualidade dos últimos acontecimentos fazem-me desejar muito uns dias fora do mundo real.
Já rumei ao Alentejo e sei que será mais o tempo ocupado com as mais diversas tarefas do que aquele em que me permito desligar na praia.
De qualquer forma, e para quebrar com a linha mais certinha que tenho que seguir no trabalho, estes serão dias de muito padrão e trapinhos esvoaçantes. Óculos de sol e protetor solar sempre comigo porque nesta região há sempre uma brisa fresca que parece inofensiva mas é quase sempre ela que me traz o bronzeado de pedreiro. 
É também altura de ler. Desleixo-me completamente durante o ano e se há oportunidade para enriquecer vocabulário e viajar um bocadinho é aqui, com as páginas cheias que alguém escreveu. 
Tenho ideias cimentadas do que quero trazer por cá no próximo mês e por diante mas agora só preciso de sossegar para começar a criar.

 Um beijo,
MariaDaniela

16 de agosto de 2016

Três dias.



Há anos vi um episódio de uma série ou um filme (alguma dessas cenas em que as pessoas são cool e falam estrangeiro) em que se discutia o tempo que o nosso cérebro demora a adaptar-se à mudança.
Na história, dava-se o exemplo de o mundo ficar às escuras ou de pernas para o ar (metaforicamente) mas acho que não é preciso fantasiar muito para que nos lembremos de uma ou outra vez em que estivemos perdidas perante um mundo que girou depressa demais.

12 de agosto de 2016

Salty Hair. I Care.



Tento a todo o custo usar o menor número possível de produtos no meu cabelo. Ele costuma crescer sem problemas e se o corto de 6 em 6 meses é mais para ajeitar o styling que para o reparar de danos.
Só que não vivo numa bolha longe de todos os males, não é?
Para além de praia e piscina, a simples exposição solar já danifica os nossos fios. Tanto no Alentejo como no Algarve vivo em zonas muito ventosas que para além de criarem nós quase junto à raiz ressecam muito o cabelo.
Então, não há hipótese, é hora de tratar, tratar, tratar. 
Numa passagem pel' O Boticário olhei para o óleo, testei e resolvi trazer para casa. Já na caixa cometi o erro de principiante de abrir o creme para cheirar. Vieram os dois, felizes!
Comecemos pelo princípio.

9 de agosto de 2016

O nosso ego é um "Perna Fina".

www.stack.com


Ontem à noite andei às voltas na cama, tal é a abafura dos dias que se passam por aqui, e cheguei a uma conclusão infeliz: quanto mais sólido o ego maior o medo da rejeição.

NOTA: se estão à espera de um texto motivacional em que eu escrevo "atirem-se, não têm nada a perder" de vinte maneiras diferentes, acabem a vossa meia de leite e dêem de frosques. Sabem que eu não ando há 67 anos nisto para espalhar a mariquice pelo mundo. Está dito.

3 de agosto de 2016

O dia em que acharam que eu queria saber

www.guysgirl.com


Faz-me comichão no céu da boca de cada vez que alguém pensa que eu lhe mandei uma indireta.
Sim, o tema de reflexão de hoje é sobre indiretas. Abram todos o manual na página 37. 

Então é o seguinte, esta vossa companhia nos dias de luta, dias de glória é péssima a ocultar verdades. Aliás, a ouvir a rapaziada desfiar conversa, e mesmo sem meter o bedelho, a minha rica carinha de boneca um bocado estragada da vida denuncia-me logo. São capazes de perceber a minha opinião pela sobrancelha levantada, pelo sorriso malandro ou pelos olhos arregalados. E não consigo fugir a isto. Nem para esconder a verdade da cara eu tenho capacidades, eu sinceramente não sei o que é que vocês ainda aí fazem desse lado... Moças, isto não dá para mais. Nem para fingir!

1 de agosto de 2016

Acessórios sem Prazo de Validade!

Muitas de vós que estão desse lado devem adoptar uma modalidade incrível na vida que é deixar a roupa das estações anteriores em casa dos pais e ter só na vossa aquela que se adequa aos dias que se vão passando. Eu estou convosco! E tem sido assim há tanto tempo que acho que se vir camisolas de malha em cima da gavetinha dos biquínis até fico nervosa. São coisas que raramente se cruzam, autênticos desconhecidos!
Mas bom, há coisas que estão sempre connosco em qualquer que seja a estação do ano, certo? As bolsas em tons neutros, os sapatos, mocassins, sabrinas que se adequam a mil situações, os colares e pulseiras minimalistas, os óculos de sol, enfim! Estão a rever-se um bocadinho, não é?
Seguem então algumas peças que estão pelas nossas lojas preferidas e que podemos usar toooodo o ano!