27 de junho de 2016

Aviso à Navegação


Estamos assim. A fazer o trabalho de duas pessoas, dado que uma colega também merece férias.
Para além deste pequeno furacão que vai acampar na minha secretária durante duas semanas, também ando há muuuitos dias a preparar uma mudancinha pessoal que logo saberão. 
Espero voltar para a semana em fúria com pechinchas dos saldos, novidades, textos parvos e a converseta do costume!
Sim, a foto está desfocada porque para além de nestas folhas estar o meu nome completo toda a informação é mega confidencial e para vos mostrar teria de vos matar... Ou quase. ahahah

Esperem por mim que eu volto assim que puder, hum?

MariaDaniela

21 de junho de 2016

A melhor terapia


Há pouco que me satisfaça tanto como a praia. 
Despir a farda do dia-a-dia, deixar os quilos de maquilhagem na gaveta, pegar em fruta e água e seguir caminho.
Hoje disponho-me muito mais a fazer quilómetros de estrada na busca do areal perfeito do que antes.
Antes, o primeiro canto de areia e mar que me estivesse à mão servia, hoje prefiro pequenos paraísos.
Porque aqui desligo mesmo. Sabe-me muito bem ficar só a ouvir o ruído da água e de pouco mais.
É a minha melhor terapia de todas. Esqueci as drenagens linfáticas, as pressoterapias e só largo esta delícia quando a chuva voltar. 
Espero que este verão seja aquilo que merecemos e sei que nesta praia se hão-de escrever muitas histórias. 

MariaDaniela

20 de junho de 2016

E quando toda a gente quer florzinhas...

a Maria Daniela envereda por todo um novo caminho.


A verdade é que uns 70% dos meus biquínis têm estampas florais, mais gráficas ou mais românticas, ainda assim parece que há todo um estilo predefinido na minha gavetinha de praia.
O ano passado não comprei nada de beachwear portanto agora precisei de juntar algo que fosse mais "eu em 2016" à minha pequenita coleção.

15 de junho de 2016

Eu e o meu quase-super-poder



Estão a ver o Obélix? Eu sou o Obélix na minha cabeça.  Bem, do príncipio.
O meu ex namorado, sempre que precisava de levantar alguma coisa pesadona ou de fazer algum esforço na vida, dizia que tinha de vestir as cuecas roxas. Eu acho que nasci com as cuecas roxas.
A capa comprei depois a prestações em 64 vezes sem juros. Eu e o Obélix partilhamos o destino de ter "quase-herói" escrito na testa (ou na pança alegremente mole que envergamos).

Os dilemas dos outros já me preocupavam ainda eu tinha dentes de leite e franja nos olhos a desafiar uma futura vestigue (Deus foi amigo...). Não atafulhava os ouvidos dos meus pais com tralha do meu dia-a-dia porque me parecia estupidamente óbvio que o deles tinha sido muito mais hardcore. Não, não sabia o que era "hardcore". Não, não achava que nada poderia ser pior do que perder ao berlinde.
No entanto, e numa de "se não atrapalhar já ajudo", fui acompanhando mais as coisinhas deles do que eles as minhas. A minha mãe soube que fui vítima de bullying dos 6 aos 12 anos quando eu já ia lançada nos vintes. Qualquer dia conto-lhe que parti um dente da frente no balneário da escola no 5º ano. Para já, ela ainda não está preparada.

13 de junho de 2016

[Milium] Não queremos mais bolinhas!

Pois bem, minhas amigas, depois de 3 dias de descanso e sendo hoje uma segunda-feira tão airosa preciso de vos trazer um assunto que acho que faz falta abordar: doenças! ahahah
Bem, o que me traz aqui não é bem uma doença, já vão perceber.

Nos últimos tempos tenho-me apercebido que a somar a pequenas borbulhas no rosto se juntaram umas novas bolinhas. Não foi preciso utilizar todo o meu QI para fazer uma pesquisa e perceber que o que se apoderou do meu rosto se chama Milium (ou mília).
O que é isso?

- São pequenas bolinhas de queratina (embora inicialmente se pense que seja sebo) que tendem a aparecer na zona do redor dos olhos e parte superior das bochechas.

- É mais comum nos recém-nascidos mas qualquer pessoa pode estar sujeita ao seu aparecimento, nomeadamente em processos de cicatrização.

- A sua origem pode ser, muitas vezes, genética.

- Estes pequeninos quistos não doem, não causam comichão e não estão na camada imediatamente superior da pele, pelo que não é possível extrair como se fosse uma borbulha. 



No meu caso soube imediatamente que teria origem genética porque a minha mãe também se tem debatido com isto nos últimos anos. 
Falei com o meu dermatologista que se prontificou para mos retirar cirurgicamente! (atenção que na imagem acima não sou eu) Eu expliquei-lhe que preferia um tratamento que os pudesse eliminar e prevenir em casa. 
Então falámos em produtos com retinol - responsável pela elasticidade e regeneração da pele - e esfoliação regular. 
Eu, que sou uma pessoa cheia de contactos, dirigi-me ao meu amigo farmacêutico e pedi-lhe conselhos. Ele, um anjo que se me caíu do céu aos trambolhões, sugeriu-me o seguinte:



O esfoliante da Vichy já é meu velho conhecido e carateriza-se por um nível médio de abrasão e uma remoção total do sebo deixando a superfície da pele completamente seca.
O produto da Eucerin é mais gentil, com uma esfoliação leve e uma sensação de hidratação depois de massajar e enxaguar a pele. A utilização de ambos eu vou adequando ao estado da pele mas devo dizer que os dois são de uso regular e não agridem a pele. Apenas alguma atenção ao produto da Vichy para utilizações diárias consecutivas. 
Por fim, depois de ter a pele bem esfoliada, limpa e seca aplico a pomada de Vitamina A. Esta vitamina é a "mãe" do retinol e funcionará na eliminação dos nódulos que tenho na pele.
A pele não absorve o produto, pelo que durante todo o tempo estou com o blush branco a espalhar charme por casa. Não é, portanto, possível aplicar o creme e sair à rua.
Comecei o tratamento há poucos dias e já vi melhorias no entanto não quero já tirar conclusões. Se alguém tiver interesse no tema, daqui a uns tempos posso comentar os resultados que tive. 

Relembro que não sou dermatologista nem farmacêutica pelo que não vos estou a aconselhar rigorosamente nada. Apenas vos estou a tentar dar a conhecer uma condição que não sei se é muito ou pouco comum e com a qual eu vivo. 
Se tiverem interesse em conhecer melhor este probleminha ou se sofrem com isto, consultem toda a informação que considerem necessária bem como um Médico que vos possa ajudar.

Um beijo,
MariaDaniela

8 de junho de 2016

CFDA Awards 2016 : Os preferidos

"São os maiores prémios da indústria ou, pelo menos, os que conseguem concentrar todos os grandes nomes da Moda e os mais promissores talentos no mesmo espaço - além de contarem níveis insuperáveis de estilo por metro quadrado." Vogue Portugal.

Sobre os trapinhos preferidos:


Joan Smalls
Se há quem pode usar estes tons nude amarelados são as morenaças com uma forma física deste calibre.
Acho que está elegante e leve, acessórios simples e tecido com um brilho discreto, de fazer inveja às lulinhas que precisam de começar a dar o litro na praia (olhem eu aqui!). 

7 de junho de 2016

Cheguei tarde à tua vida.

Cheguei e tu já tinhas criado os teus medos todos, um a um. Já tratavas por tu todas as tuas capacidades e todas as tuas inseguranças. Sabias de cor até onde podias ir numa noitada sem perder o controlo e não era novidade nenhuma que já não tens idade para diretas. 
Sabias distinguir o sorriso de uma mulher que te quer de o de uma que quer que lhe pagues uma bebida. Já sabias comportar-te numa reunião de Direção e num arraial. Numa festa infantil e num funeral.
Cheguei e tu já sabias tão mais do que eu. Aprendeste a fingir simpatia e a preparar um powerpoint fortíssimo. Aprendeste a safar-te na cozinha e a falar no momento certo.
Aprendeste a amar e não esperaste por mim.
Quando eu cheguei só me esperava a sombra de alguém. Não pude fotografar os teus pés e os meus na areia, não pude dançar contigo na rua, não pude poupar durante meses para o teu presente de aniversário. Não pude imaginar o meu nome com o teu apelido nem como te irias dar bem com o meu pai. Há tantas coisas que não pude fazer contigo que todas elas me matam um bocadinho de cada vez que nos cruzamos. E de cada vez que, por 5 minutos, me fazes sentir a pessoa mais importante da tua vida. Depois vais embora.
Não consigo...

Cheguei tarde demais à tua vida. E agora não quero saber da minha.

Daniela.

6 de junho de 2016

New In


Não tenho andado muito inspirada para compras. No entanto, preciso de algumas coisas e não posso só ficar apática a ver passar o padeiro. Juntando a não-vontade com a necessidade e a minha humilde conta bancária, encontrei umas coisas baratinhas que estou a adorar. 

2 de junho de 2016

Ai que fomos todos Charlie durante uns dias!




Somos uma cambada de idiotas. Acho que é ponto assente. Um bando de seres superiores com uma costelinha (ou o lado esquerdo do corpo) de Hitler que pode julgar tudo o que não percebe e tudo o que não gosta. Como nunca vimos Deus então achamos que possivelmente somos nós. É como dizia a minha trisavó «Não estou a dizer que sou a Mulher Maravilha, mas nunca me viram fechada numa sala com ela.»
Somos moralmente superiores essencialmente na internet. Andamos a vaguear tipo porcos da índia sorrateiros e mal dão por nós estamos a protagonizar a cena de um elefante cego e coxo numa lojinha de cristais. Partimos tudo com a nossa tromba de integridade e valores. Não.