29 de abril de 2016

É preciso desabafar sobre isto. #2

- O absurdo poder dos comentários sem fronha. 
Então é o seguinte. Que toda a gente já percebeu a importância dos blogs como fazedores de opinião é ponto assente, agora o que ninguém esperava é que aparecessem as blogettes! O que são blogettes?, perguntam as mais distraídas. Pois bem, as blogettes são as moças (com idades compreendidas entre os 6 e os 99 anos, idades mentais atenção) que são como as fãs do Tony Carreira mas o seu amor é nutrido por um blog. Nas blogettes cabe o amor e o ódio de um fanático por bola, o histerismo de uma fã da Ruth Marlene e a falta de argumentos do Jorge Jesus. JJ para o povo. 
Então, a vida de blogette é mais intensa do que se faria esperar. Elas defendem honradamente cof cof o seu objeto venerado e atacam os restantes que lhes fazem uma ligeira comichão na micose. Tudo o que seu ídolo faz é vanguardista, pelo que o que se assemelhar (ou que elas sintam que houve tentativa de) terá de levar o traço por cima. É a PIDE dos tempos modernos. 
Bom, a minha veia de blogette está a pulsar e eu vou ter de mandar tudo cá para fora. Oiçam bem.

 Eu já uso calças de cinta subida desde 2011. Cambada de pêgas, começaram todas a imitar-me.
 Eu já fiz um long bob e agora tenho o cabelo comprido. Cambada de pêgas invejosas que estão a imitar o meu long bob de há 2 anos e cambada de labregas que me estão a imitar agora.  

Pareceu ligeiramente ridículo, hum? Então, anónimos cujos tempos livres precisam de ser ocupados rapidamente, percebam que somos 7 biliões no mundo. O planeta não gira à volta do umbigo de ninguém e haverá sempre pessoas com gostos semelhantes, com as mesmas peças da Zara, com o mesmo gosto musical. Ultrapassem isso, a sério. 

Lição a reter: Gosto mais de vos responder quando me deixam um nome, ainda que fictício.

www.houstontexans.com

27 de abril de 2016

366 dias de Maria Daniela

Não posso dizer que passou a correr mas já desfilou sambando em salto agulha um ano desde que comecei a escrever aqui. 
Estreei este tasco de qualidade duvidosa numa altura animadota da vida deste belo espécime e foi um gozo atafulhar-vos com teorias mais ou menos retardadas. Se cá voltaram sempre de livre vontade isso faz de vocês pessoas com padrões muito baixos na vida! Havemos de falar disso, deixem-me só anotar. 

Sempre que entro aqui e clico na barrinha mágica para uma "Nova Mensagem" sinto-me como um taberneiro a dar conselhos a camionistas: falo, faço desenhos e dou exemplos muito credíveis mas a melhor ideia é que façam ouvidos moucos e ignorem. Não sei, era o que eu faria... 

Este ano foi talvez a fase de maior crescimento na minha vida. Deixei crescer o cabelo quase até ao rabo, saí e voltei ao Algarve qual motard que adora bom regabofe, apaixonei-me e aprendi a lidar com o "não dá", fiz muitos amigos e aprendi a ouvir o que eles dizem, dei e recebi mimo com fartura, apanhei sustos de morte e bebi medronho para acalmar o coração, perdi 3 kg e fiquei à espera que se notasse, bateram-me duas vezes no carro e fugiram mas também me lavaram o chão de casa sem avisar porque eu estava estoirada, acordei cedo muitos dias mas aproveitei as manhãs, as tardes e as noites (mentira, estive de lágrimas nos olhos o tempo todo!), superei as expectativas do chefe mesmo com meio quilo de corrector em cada olheira.

26 de abril de 2016

Decoração que é música para os ouvidos!

Conheci a Viviane por acaso e confidenciei-lhe que adoro decoração mas tenho sempre receio de me dispersar e o resultado final seja uma confusão total. Penso que preencher um espaço e torná-lo harmonioso e bonito precisa de talento e muita inspiração. Coisa que por vezes me falha à grande.

A criatividade é um dos principais fatores a ser levado em conta na hora de decorar, por isso para extrair o melhor efeito visual a decoração com instrumentos musicais é uma ótima escolha. Lembrando sempre que um bom projeto de decoração deve levar em conta o gosto e a personalidade do dono e das pessoas que vivem nesse ambiente. 

Fiquem com algumas ideias giríssimas de incorporar música em todos os espacinhos de nossa casa.

21 de abril de 2016

What about some statement?

Já me fartei de vender-vos por aqui que estações amenas pedem tons serenos, pastel, no entanto também não precisamos de seguir tudo demasiado à regra e se há coisa que torna um outfit sempre mais interessante é uma peça statement. 
Criar destaque, adicionar mais informação é uma arte que nem todas entendemos (that's my struggle every day... ahah) mas ficam aqui algumas coisinhas que estão à venda nas nossas lojas favoritas e que mudam por completo o look mais básico do mundo.

19 de abril de 2016

Lipstick is my magic trick!



Para mim, o batom está logo a seguir ao BB Cream (ou base) no que diz respeito a essenciais de maquilhagem. Sobrevivo bem sem máscara de pestanas já que as minhas são grandes e curvadas, as bochechas são naturalmente rosadas, o contorno é dispensável e o eyeliner ainda está em fase de aperfeiçoamento (já não demoro 37 anos como antes! estou praticamente profissional).
Se quero ter um ar decente e fresco e tenho 5 minutos para o conseguir é isso mesmo que acontece: BB cream com dupla camada nas olheiras e batom.
Gosto sempre de dar destaque à boca porque me sinto bem com o meu sorriso (não é bem assim, mas espero falar-vos disso em breve) e até os nudes mais discretos chamam a atenção na minha pele pálida.

As mais recentes aquisições foram estes produtos que vêem acima. 
Não tenho nada a apontar aos Smart Lipstick da Kiko, aliás gosto muito deles. Não são de efeito mate mas perdem um pouco o brilho com o passar do tempo, hidratam e aguentam-se no sítio umas 5 horas com um desvanecimento mínimo. O preço deles é imbatível, têm um aroma absolutamente delicioso e a pigmentação é muito muito aceitável, dado que é um batom hidratante (logo, pouco seco).
As minhas cores escolhidas foram o 925 e 926. 
Desde que me maquilho que uso batons castanhos, gosto do efeito na minha tez clara e devo ter 5 ou 6, sendo este o mais escuro mas de subtom quente. O mais rosado tem andado comigo quase todos os dias, sinto que se adequa a imensos outfits e estados de espírito. É um rosa com um fundo bordeux e castanho que o torna numa complexidade muito bonita. É dos tons com que mais me gosto de ver.

Depois as Mousses Labiais d'O Boticário. Foram lançadas a semana passada e quis mesmo mesmo testar estes meninos. Prometem ser um batom líquido mate hidratante que não transfere. Não cumprem tudo mas são muito bons. Secam mate e deixam um aspecto que nunca tinha visto em nenhum batom do género: revelam uns lábios hidratados e muito bonitos. O produto é muito pigmentado e só peca num aspecto essencial: transfere. Transfere até que não tenham nenhum vestígio de produto aplicado. Eu tenho usado ambos com frequência porque o facto de deixarem marca não me incomoda (preferia que ficassem tipo cola, né? mas não havendo perfeição...). Por deixarem um aspeto tão saudável eu tolero e até os prefiro aos Lip Cream Stain da Sephora na medida em que estes últimos ressecam muito a boca e esfarelam quando bebemos/comemos (no meu caso). Escolhi as cores Modern Nude e Scarlet Pink e não tenho interesse em adquirir as restantes 5. Estou feliz com estes dois mas a família não vai aumentar. Pelo menos com mais desta linha.

Smart Lipstick Kiko aqui
Make B. Mousse Labial aqui  (por algum motivo o Scarlet Pink não está online mas podem encontrá-lo no catálogo)


E por aí? Que comprinhas têm feito? Já experimentaram esta novidade das Mousses? Contem-me tudo com detalhes!

Um beijo,
MariaDaniela

18 de abril de 2016

Ser a melhor amiga dos pais

Esta semana voltei ao texto corrido para primeira publicação. Não que os outros posts não tenham demasiada converseta mas vocês que passam por aqui sabem que há sempre espaço para um bocadinho de prosa sobre nada. 
Deixem-me só dizer que isto não passará de uma introspectiva parva, não tenham ilusões.

Fora a fase da adolescência em que tudo é uma seca dos diabos, acho que sempre me dei muito bem com os meus pais. Com o passar dos anos percebi que não haveria ninguém no mundo a aconselhar-me como eles, a querer o meu bem e a preparar-me para o mal. 
Desde que saí de casa para ir para a faculdade que os laços se estreitaram. A minha mãe é o meu maior apoio e a melhor ouvinte, o meu pai é o ponto de abrigo, a segurança. 
À sua maneira sempre fizeram tudo por mim, da mesma forma que me deram os "não's", os castigos e os raspanetes. Crescer bem é ter este equilíbrio do bom e do menos bom. Eu acho que tive uma muito boa educação e é nessa crença que assento a minha personalidade todos os dias. Não posso simplesmente ser uma besta quando os meus pais fizeram um tão bom trabalho.

Hoje, sinto que chega a hora de retribuir. Porque sei o esforço e a dedicação que foi necessária para que eu não me deslumbrasse, não caísse ou simplesmente não desistisse. Herdei-lhes a vontade de dar mas o cuidado de não dar tudo. Aprendi a respeitar os mais velhos em todas as ocasiões e a tentar todos os dias merecer o respeito deles. Entendi que os outros não têm de sofrer consequências se eu estou num dia mau. Ensinaram-me que é preciso abdicar de cem cristais se quisermos ter o diamante. Sem esforço e bravura, ficará sempre tudo como está. 

Por isso, hoje sou a melhor filha que posso e sei. Visito-os com muita regularidade (admito que me deixo apaixonar pela calma da aldeia a cada fim de semana), levo-lhes mimos e esmago-os com carinho. Hoje, que não preciso, sou mais eu a ajudá-los a eles. Seja numa encomenda de bacalhau ou a despachar papelada junto do Instituto Nacional de Sabe-se-lá-o-quê. Perco horas a resolver coisinhas simples e ao telefone a desfiar assuntos leves. Por eles serem tão agradecidos, parece que é sempre pouco e pequeno aquilo que lhes posso dar. 
Há poucas coisas que se equiparem ao "Ah, minha rica filha!" depois de eu comunicar que determinada situação foi resolvida.
Adoram os queijos da serra que seguem do Algarve e as inovações que ainda não chegaram ao monte. O pai já se justifica com gosto, perante o meu olhar reprovador. "Hoje posso comer favas com chouriço porque bebi do teu leite magro sem saborzinho nenhum de manhã. Foi o combinado, não foi?"
Ele é o meu melhor mecânico e não dispensa o meu ouvido concentrado quando em causa está o funcionamento de um motor qualquer. Eu sou a arquiteta e crítica das obras dele. Ela é a melhor costureira e também quem me estraga roupa com pingos de lixívia. Eu ofereço-lhe flores, camisolas e as malas que ela muito subtilmente me pede emprestadas para sempre.

Sei que nem toda a gente terá uma dívida de gratidão e amor aos pais como a minha. Bem sei que cada casa é um caso. Mas cada relação tem o poder de se (des)construir de acordo com a forma como trabalhamos para ela. Os meus pais têm sido fulcrais nos momentos difíceis, o que nos fortalece e me torna mais mimada. Não há bela sem senão. Mas não mudava nada.
Sei que serão as pessoas mais importantes do mundo, até que o mundo receba um pequeno ser com o meu ADN. Caminharemos sempre juntos, porque eu acredito em amores incondicionais.





MariaDaniela

14 de abril de 2016

Mudar de uma mega mala para uma clutch?! Eu tenho dicas!

Mesmo que nada o obrigue, há uma certa predilecção para usar malas maiores no Inverno e mais pequeninas no Verão. Em ocasiões especiais ou de festa instintivamente recorremos a clutches mas no conforto da nossa rotina tendemos a escolher uma mala bem grande e bonita mas com instinto de saco do lixo: deitamos tudo lá para dentro, sem noção.
Quando damos pela Primavera (eu ponho as minhas mãos no fogo em como ela vai chegar!) e queremos andar com coisinhas leves a tiracolo temos um pequeno enfarte ao olhar para a mala que temos usado ultimamente. A missão é mais ou menos enfiar um elefante no frigorífico. Achamos que tudo o que lá está é indispensável e eu, pessoa ruim até ao osso, digo-vos que não.


Bom, começo por mostrar-vos mais ou menos o que anda sempre comigo numa mala maior. Sei que sou um alien e não carrego garrafas de água, tablets e torradeiras como a maioria, já que tenho noção do que preciso ou não no dia-a-dia. O que eu acumulo como ninguém são talões! Jesus! 
No entanto, havendo espaço, é tudo em grande. O porta moedas é generoso, a caixa dos óculos de sol (que normalmente leva lá uns, só para o caso), o porta-chaves lindo mas cabeçudo, os lenços de papel para a ranhosa, a bolsa com fio dentário, escova e pasta de dentes, "primeiros socorros", produtos para retocar a maquilhagem. Enfim, não está mau, está é tudo em grande!


Assim de repente tudo faz falta. Mas, não cabendo tudo naquilo que é o T0 das bolsas (para as mais distraídas, falo das clutches ou mini bags), temos de estabelecer prioridades e adaptar o que pudermos. 
Para vocês que carregam Os Maias, uma paleta de sombras, um par de chinelos e um balde de pipocas talvez não haja solução! ahahahah No entanto, vejamos como é que eu costumo resolver o assunto.




1. Mudar OBVIAMENTE de porta-moedas. Há quem prefira um porta-moedas pequenino e um porta-cartões separado mas eu gosto mais assim. Está tudo junto e demoro menos quando estou a pagar alguma coisa. Não é fácil encontrar uma carteira pequenina que dê para meter muitos cartões mas esta da Parfois é muito porreirinha. 

2. Reduzir os batons a 1! Vá, eu tento sempre que seja só um, mas na loucura um batom do cieiro e um de cor. Cabem muito bem nos cantinhos mas a verdade é que uma clutch já é ela própria um cantinho. Nada de abusar!

3. Encolher o porta-chaves. Gosto muito do polvinho sorridente e colorido mas quando a mala encolhe ele sabe que vai recambiado para a gaveta. É boa ideia optar por um menos volumoso ou, pelo menos, achatado. Assim é mais fácil colocar em paralelo com a carteira ou num compartimento pequenino da bolsa.

4. Lenços de papel ao mínimo. Nesta altura não vivo sem lenços de papel. As alergias adoram a minha companhia aí desde Abril até Junho por isso estes pacotinhos são os meus maiores aliados. No entanto o tamanho normal destes produtos é coisa para ocupar metade do espaço disponível, então a solução é escolher as embalagens mais pequenitas. As meninas que não sofrem do mal do nariz pingão podem andar apenas com 1 lencinho perdido na mala para ir à casa-de-banho ou qualquer outro momento.

5. Adorar produtos multitasking! Se vão fazer uma refeição fora e não têm tempo para escovar os vossos dentinhos com preceito (ou não vos cabe nada no raio da mala!) as pastilhas elásticas, não substituindo o ritual, dão uma boa ajuda! Para além de dar um hálito fresco em qualquer ocasião, as pastilhas são boas aliadas e as individuais cabem em todo o lado. O lenço de papel é o pai do pó compacto, sabiam? Se não sabiam, continuem na vossa que isto é tudo mentira. O que é certo é que pressionar (não esfregar!!!) um lenço de papel no rosto vai absorver muita oleosidade da nossa pele e deixá-la com pouquinhos brilhos. Pode sair um pouco de base ou pó da aplicação anterior mas, em caso de "desenrasca", faz muito bem a sua função. 

Depois existem as chaves do carro (as de casa, que já falámos no porta-chaves) e o telemóvel, por exemplo, que estão sempre connosco e têm que caber até no buraco de uma agulha. São essenciais e isso nem se discute.
Deve haver sempre um cantinho para um penso rápido em caso de feridas ou bolhas e um produto para quando aquela altura giríssima do mês se adianta. Enfim, não vos estar a ensinar a ser gajas, só queria mesmo deixar aqui a minha forma de atuar implacavelmente quando o assunto é reduzir tralha.

Espero que tenham sacado daqui alguma ideia ou que simplesmente vos tenha lembrado de ir dar a volta ao vosso "sacalhão".
Deixem-me as vossas dicas nos comentários que eu quero muito saber como é que vocês montam esse puzzle difícil dentro das vossas bolsas.

Malas Aldo (a maior apenas existe em verde aqui , a pequena aqui)
Bolsa Toranja
Porta-moedas Parfois

Um beijo,
MariaDaniela 

12 de abril de 2016

New In : Aniversário!



Como deve ser comum à maioria de nós, na altura de se celebrar mais um feliz aniversário as prendas já não vêm em forma de géneros mas sim num montante monetário. O pessoal desistiu de tentar acertar nos presentes há muito tempo e agora joga pelo seguro.Nós agradecemos!
Recebi pouquinhos presentes físicos e dinheiro. De resto, muito amor e imenso carinho de amigos e conhecidos que mesmo à distância não deixaram passar a data.
Com o dinheiro que recebi comprei algumas coisinhas para mim mas uma parte significativa ficou de parte para umas ideias que espero mostrar-vos brevemente.
Ora bem, mas aquilo que comprei (e recebi) e vos posso mostrar já é o seguinte:



Tenho de dizer que tirei fotos com todas as peças juntas mas ficaram todas uma vergonha. Vamos então seguir como se nada fosse.
Andava maluquinha para ir buscar esta túnica à Zara. Vocês conheciam o nosso amor platónico desde aqui e a coisa teve mesmo que acontecer. Tinha, como vos contei na altura, um problema com as rachadelas laterais dela (afinal é uma túnica, certo?) mas já levei para a mãe e ela coseu uns 10 cm para que seja aceitável usá-la como vestido. Mal posso esperar! Ela ainda está à venda por todo o lado.
A bolsa preta com tachas que me estava a faltar. Encontrei-a online e, mesmo sem nunca a ter nas mãos, arrisquei e comprei. Adoro-a e sei que vamos andar coladas uma à outra tanto na Primavera como nas estações frias. Já tinha falado dela na minha wishlist de aniversário e não falhei! É realmente muito pequenina e vai adequar-se a imensas ocasiões. Ainda a encontram online.




 A saia de corte em A foi encomendada uns dias antes do meu aniversário. Falei dela também por aqui e sabia que dificilmente encontraria uma saia que reunisse todas as qualidades que eu precisava: botões e bolsos, ganga escura, cinta subida, disfarçadora de ancas. Não é muito curta e, modéstia à parte, acho que assenta muito bem no meu corpo. Assim que estiverem mais de 17 graus negativos, vou querer muito sair com ela à rua! Ainda está à venda online

Os géis foram um miminho do melhor/pior/não-sei amigo do mundo. Passámos a meia noite juntos (isto está a parecer muito romântico) e ele trouxe estas coisinhas na manga. O gel que dá firmeza e tonifica já comecei a utilizar e, aliado a boa alimentação e a medíocre exercício físico acho que resulta. Sinto a pele mais firme, pelo menos. Não sei se reduz centímetros mas vou deixar-vos feedback quando achar que estou em condições. Se quiserem experimentar, ele está aqui.
O gel de banho para peles sensíveis ainda não experimentei, mas ele diz que deixa um cheirinho óptimo na pele por horas! Depois conto-vos!! À venda em todas as (para)farmácias.

 Os jeans... Ah os jeans! Encomendei uns mas assim que recebi eeeeeste email, mandei tudo para trás e comprometi-me com as calças que queria comprar há meses. Chegaram ontem, segunda-feira, e são perfeitas. Sabem, as calças brancas sempre me aumentaram visualmente o tamanho dos presuntos mas eu até nem me importava quando via na loja, achava que era uma consequência inevitável. Se o preto reduz, o branco aumenta. Só que experimentei estas meninas em casa e fiquei absolutamente rendida. Pouco ou nada transparentes, redutoras como já as Carrie me tinham habituado e perfeitas. Não são uma ganga normal, têm um estilo tipo encerado, mas gosto muito! Estão super baratas e não podia deixar de ser feliz com elas. É demasiado amor. 


Por fim, uma pecinha muito amorosa. Oferta de uma amiga, para dar sorte. Eu já sou uma moça tão abençoada que, se isto resulta, ainda me metem um boletim sorteado do Euromilhões no para-brisas do carro. Não sou fã de olhos turcos mas este não me incomoda aqui (adorava que os sentimentos maus conseguissem de facto ficar fechados dentro de uma bola de plástico!! ). Foi comprada numa ourivesaria local e devem existir semelhantes por todo o país. Anda comigo no pulso desde então e este trevo com pequeninos cristas é um charme. Adoro.

E é isto. Lamento que o post não tenha nem muita qualidade nem as peças mais apaixonantes mas era o que a mim estava a fazer falta e os miminhos que me tão carinhosamente me ofereceram.
Gostaram de alguma coisa? Curiosas com o gel redutor? 
Vou tentar fotografar umas coisas diferentes brevemente mas não juro. 

Um beijo,
MariaDaniela

11 de abril de 2016

É preciso desabafar sobre isto!

- Afinal as Nike Cortez não são a it cena desta temporada. Deus é grande, é Benfiquista (piadola, hum!?) e toma conta de assuntos graves como são as sapatilhas do momento.
Ao que parece, tudo não passou de um susto! Viram-se alguns espécimes no street style deste mundo, falou-se disso em tudo quanto era blog e revista da área mas felizmente foi simulação. Já temos ugly shoes que cheguem (abordei amorosamente o assunto aqui)! O povo não larga os modelos da New Balance, os Adidas Superstar nem os Stan Smith a quem declararam o óbito no início de 2016 mas que continuam vivíssimos e pelas ruas das nossas cidades! Fico quaise (não digam quaise, por favor! é coisa que me enlouquece) com renovada esperança nesta humanidade que nem sempre mete palas nos olhos e se repapa com tudo o que lhe vendem. Gosto!

Lição a reter: usar aquilo que nos faz sentir a maior da nossa aldeia e não qualquer coisinha "porque é moda".





 - A página da Júlia Pinheiro (Júlia, de Bem com a Vida) não me seduz. Já lhe dei duas hipóteses e lá fui cuscar mas acontece sempre o mesmo: dou-lhe forte no scroll e não abro nenhum artigo. Já entendi que se direcciona um bocado para as mulheres mais maduras e o conteúdo parece ser trabalhado com uma seriedade que me é estranha. Falou-se, na altura do lançamento da Revista Cristina, que a apresentadora da TVI tinha "roubado" a ideia e antecipado a criação do projeto relativamente a Júlia. Cá para mim, há espaço para ambas já que o registo é totalmente diferente. Se utilizarmos o Daily Cristina como comparação aí a coisa toma dimensões ainda mais díspares. O blog da Cristina serve para sonhar, o da Júlia dá-nos dicas para envelhecer bem. Não critico. Apenas para mim vai continuar a passar ao lado.
Já o Blue Ginger da Raquel Strada traz muitas coisinhas boas para nós, miúdas frescas e fofas! Vamos aguardar o desenrolar de novas publicações e possivelmente voltaremos ao assunto. As expectativas são altas, já que a Raquel é linda, tem um estilo incrível e tem sempre imensas ideias giras. Aguardemos serenamente!

Lição a reter: controlar as expectativas e entender que, como não sou o centro do mundo, nem tudo é dirigido ao meu estilo de vida, idade, visão, gosto, ...





- No sábado, pela primeira vez na vida, desci no elevador do prédio e não estava maquilhada. Olhei para o espelho e a minha mente gritou automaticamente "Se esta merda sou eu, vou já enfiar um tiro no meio dos olhos!" É, o meu eu interior é um bocadinho bruto. Mas a verdade é que me apercebi que sou feia para caraças. Com uma carrada de lenha desarrumada no reboque de um camião. Como os terços fluorescentes que o Ronaldo em tempos usou ao pescoço. 
Se o Agir escreveu que Ela é linda sem makeup foi porque nunca acordou na mesma cama que eu! (Felizmente para os dois!) Até podia ser só deslavada, o que já não tinha grande assunto, mas acumulo manchas e todo um ar de cadáver nada simpático. Não há-de a gaja estar solteira, pensam vocês e muito bem! Se pensar bem devia mandar uma nota de agradecimento e uma de 50€ a todos os rapazes que se interessaram por mim. Ou disseram que se interessaram! Eu, neste ponto, já questiono tudo. Digamos que foi o meu shot de absinto misturado com realidade assim em jejum que doeu um bocadinho, deu uma ressaca dos diabos mas há que aceitar e seguir em frente. 

Lição a reter: meter nem que seja um BB Cream na cara antes de ir ver a caixa de correio.

Foto daqui.


Bom e agora sinto-me muito mais leve! Começar a semana a desabafar é fixe!
Agora quero ouvir as vossas opiniões. Não se acanhem!!

Uma santa semana,
MariaDaniela

7 de abril de 2016

Ah, os dias Felizes!

Está o povo descansado no seu local de trabalho, almejando a chegada do fim do dia quando o seu email pessoal recebe a boa nova. Não é o Espírito Santo (fujam dessa gente! quem vos avisa...) nem tampouco o Uncle George que nos deixou uma herança e só preciso de enviar os dados da conta bancária para nunca mais contar tostões. Não. Muito melhor! Arregalem os olhinhos!



Isto nunca me tinha acontecido. Peço sempre que me avisem se voltarem a ter roupa para a minha pessoa numa de "Ehn, pelo menos não me dou já como derrotada...". Nunca me respondem. Fico ali a sofrer em silêncio, com mais um desgosto no coração e um beicinho vergonhoso capaz de fazer a minha mãe cortar relações comigo à volta de uns 3 meses. 

Hoje o sol nasceu com mais força, os passarinhos voaram com mais alegria e eu tive direito às calças que queria e estavam esgotadas há meses. Depois de abrir este email que me emocionou mais do que um pedido de casamento (nunca me pediram, mas para bater este email não é fácil) vou direitinha ao site e apercebo-me que só há 1 par de calças do meu tamanho
Esta menina começa a fazer login e a escolher tamanhos com a velocidade de um cão hiperativo a correr atrás de um disco. Se não fosse a tempo, isto era coisinha para dar em depressão. 

E pronto, a compra está feita. Vai constar no post de presentes de aniversário que deve sair para a semana, por isso fiquem desse lado para ver o que é que os meus pais me ofereceram mas não sabem. 
Com alguma sorte a encomenda chega amanhã. O serviço é muito rápido e impecável. Sempre tudo muito bem embaladinho e a qualidade é a habitual. 
Deviam mesmo pagar-me (em géneros, que eu não sou esquisita) para eu dizer estas coisas, isto é lamechice demais. Mas é a marca a quem eu confio a minha bunda. Conforto, design e qualidade. São 10 anos de amor e espero que venham muitos mais daqui para a frente!! 


Quem estiver farto de ouvir falar na Salsa que me comece a atirar os ratos do pc. Eu entendo. Quem conseguir ir aguentando o sofrimento que fique desse lado que eu depois mostro tudinho!

Ah, os dias felizes! ahah
Um beijo,
MariaDaniela

6 de abril de 2016

Ser/Parecer a melhor sem esforço! [Emprego/Faculdade]



"Sem esforço". Adoro!
Pois bem, se vocês que estão desse lado partilharem esta semelhança comigo, então sosseguem e leiam o que a voz da (quase) experiência tem para vos ensinar.
Ninguém quer ser o pior aluno ou o pior colaborador da empresa. Há quem não se importe de ser mediano e há quem goste de dar nas vistas pelos melhores motivos.
Eu reuni (mentira, vou escrever conforme me vier à cabeça) alguns aspetos que me parece que fazem a diferença na hora de o vosso chefe/professor avaliar o vosso perfil.


- Aparência cuidada.
Em tudo na vida, numa entrevista de emprego, na apresentação de um trabalho, no velório da tia da prima da avó, no dia-a-dia da empresa. Mesmo que não exista um dress code definido ou uma formalidade implícita, é preciso ter noção e cuidado com o que transmitimos com a nossa roupa, maquilhagem e postura. É importante parecer que se quer mesmo estar ali. Às oito da manhã, com picaretas a cair do céu e um vento capaz de levar a prótese dentária que ainda não temos. Queremos muuuuito estar ali e por isso tivemos cuidado ao escolher a vestimenta. Depende de sítio para sítio, mas na maioria dos casos os jeans com rasgões, os decotes generosos e os calções de ganga que faziam corar a vossa avó ficam à porta. 


- Perguntar não ofende!
Fazer perguntas mostra interesse e fica sempre bem. Seja nas aulas, seja a pedir uma opinião sobre um trabalho ou projeto que se tenha em mãos ou sobre o desempenho da empresa. Mostra que não andamos por ali a passear o saquinho de ossos e mesmo que não ouçam uma palavra da resposta basta um "hum hum!" e parece que herdamos a genética do Einstein. 


- Saber ser simpática nos momentos certos!
É muito bom que tenhamos um sorriso simpático no rosto, um ar acessível e boa palavra para toda a gente mas manter esse sorrisinho afável numa reunião complicada é estúpido! Saber adequar a postura à situação em que estamos é meio caminho andado para se fazer notar pela positiva. Estar a rir com os dentes todos enquanto se apresenta um projeto sobre a fome em África é desadequado, levar o nosso melhor ar fúnebre quando estamos a promover um bar na praia da Rocha é esquisito para caraças. É saber estar que faz tooooda a diferença.


- Preparar-se para perguntas parvas.
Esta não é muito óbvia e é, de facto, a que exige mais trabalho. Quando conheci o meu chefe, das primeiras coisas que ele me disse foi algo do género "Quando me entregar um relatório prepare-se antes para todas as perguntas que eu possa fazer!". 
No início não foi fácil mas depois percebi que ele queria que eu lhe explicasse o que lhe "estava a vender" como se ele não entendesse nada do assunto. Podem treinar com o vosso sobrinho ou filho do vizinho e vão perceber que, mesmo achando que tinham feito um bom trabalho, muitas vezes nem às perguntas básicas saberiam responder. 
Isto ajuda a fazer um brilharete, acreditem. 


- Não ser a última a chegar e a primeira a sair!!
Trabalho numa empresa que não me controla horários, apenas o desempenho. Então, o meu chefe está-se nas tintas se eu saio daqui às 17h ou às 21h. Se o trabalho estiver feito, tudo tranquilo (como o esquilo?). No entanto, se alguém entrar às 10h e sair às 16h30 mesmo as pessoas mais liberais vão começar a comentar. Se o trabalho não ficar bem feito por algum motivo vão associar às horas de chegada e saída do posto de trabalho. Existe uma regra implícita que ninguém comenta mas a verdade é que os primeiros a chegar têm legitimidade para ser os primeiros a sair. Não é lei mas dá jeito marcar pelo menos presença. Mostra algum empenho, que são prestáveis estando mais disponíveis para os outros e que estão comprometidos com os objectivos da empresa. Isto é música para os ouvidos de qualquer boss!

E com isto espero que daqui a tempos me mandem por email os diplomas de mérito, os prémios de desempenho e as fotos de empregadas do mês. Estou a fazer-vos a papinha toda, hum?!


Um beijo,
MariaDaniela

4 de abril de 2016

24.

Este fim-de-semana teve um encanto especial. Para além do tempo bipolar e da logística que envolve ir ao Alentejo, era altura de festejar o meu aniversário.
Já não ligo a grandes alvoroços nem festejo o "mais um" como se fosse a passagem de ano mas sabe sempre bem a boa companhia e os mimos de toda a gente que gosta de nós.
Este ano tive a sorte de poder jantar na véspera com um graaaande amigo e esperar pela meia noite com ele. 


Depois de jantar, fomos a um bar onde passámos as tardes do nosso Secundário mas desta vez sem cerveja e sangria mas sim com conversa sobre o IRS. Demos por nós a rir imensas vezes enquanto percebíamos as mudanças. Invariavelmente soltámos um "Estamos velhos." de cada vez que, de facto, o sentimos. Soube pela vida.



No próprio dia de festa, houve família, amigos e um bolo hilariante, tal como pedi à minha vizinha pasteleira. 


Foi um fim-de-semana giríssimo, pacato, com boa comida, bebida e gente tonta. 
Fica aqui um pequenino registo porque vocês já fazem parte da minha vida e não havia como não partilhar!

Sobre as prendinhas?! Ahhh, conto mostrar-vos, têm é de ter um bocadinho de paciência! 

Um beijo da vossa (velha)
MariaDaniela



1 de abril de 2016

Ah, o sentido de humor!



Podia falar dos supostos limites do humor, do politicamente correcto mas hoje é Dia das Mentiras e eu já estou a magicar umas bem cabeludas.
Divirtam-se, está bem? É sexta-feira e é dia de brincar!

MariaDaniela